Cidadania italiana com assessoria: vantagens e desvantagens

Cidadania italiana com assessoria: vantagens e desvantagens

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Uma das primeiras decisões a se tomar na hora de reconhecer a cidadania italiana na Itália é saber se vai fazer o processo sozinho ou com assessoria. Vira e mexe recebo pedidos de indicação de empresa para ajudar no processo, e a resposta é sempre a mesma: eu não tenho quem indicar, porque estou fazendo meu processo sozinha.

Eu cheguei a fazer alguns orçamentos com assessorias, mas acabei desistindo porque o valor era muito alto: ao menos três mil euros, às vezes sem os gastos com documentos ou sem a residência. E a pior parte: sem garantia!

É que tem muito assessor que garante que a cidadania italiana feita com ele sairá em sei lá quantos dias. Eu conheço gente que já fez o processo assim e deu tudo certo, mas também gente que teve que contratar advogado na Itália para não ter a cidadania perdida quando foi descoberto que o assessor tinha um esquema ilegal com o comune e todos os processos feitos ali foram suspensos.

Sabe quando a gente lê matérias de que a cidadania de sei lá quantos brasileiros foi cancelada? Normalmente, é porque descobriram um esquema desses.

Com assessor ou sem assessor, o caminho das pedras é o mesmo. O assessor te ajuda na organização de tudo: busca de documentos, tradução e apostilamento, residência na Itália e contato com os oficiais do comune. Ou seja, você tem menos trabalho e fica mais tranquilo, pelo menos na teoria.

Quanto custa?

Fazendo as contas do quanto custaria o processo sozinha e com assessor, acabei chegando à conclusão de que o valor não era assim tão diferente. Mas fazer sozinha tinha, para mim, um ponto muito importante: eu definitivamente passaria mais tempo na Itália. E eu queria muito ter essa experiência!

Também era essencial ter muita liberdade de escolha, da data da viagem ao comune à casa. Eu sabia que iria ficar alguns meses morando na Itália, então era importante que eu tivesse como decidir o que seria melhor para a qualidade de vida que eu queria por aqui.

Outro ponto que pesou foi que nunca me senti bem com a ideia de colocar a maior parte do meu dinheiro para esse projeto em uma única cesta. Eu não me sentia confortável em entregar todo o meu dinheiro para uma pessoa de uma vez. Usando um dos exemplos anteriores: se o comune entra em investigação, eu, sem assessoria, tenho a liberdade – e o dinheiro – para procurar outro. Tendo contratado uma assessoria, isso seria bem mais complicado.

Histórias reais

Fazer o processo sozinho ou com assessoria não é nenhuma garantia de evitar problemas. Vou dividir duas Cidadania Italiana Horror Story de pessoas que conheci, uma com assessoria e uma sem, para vocês verem como adversidades podem acontecer em qualquer situação:

  • A primeira, é de um rapaz que veio para a Itália em setembro com o pai e a irmã para fazer o reconhecimento da cidadania. A assessoria que contrataram os colocou em uma casa num comune bastante isolado, onde mal tem transporte para chegar em outra cidade. Além disso, o oficial estava com tanta má vontade que, em dezembro, eles descobriram que o pedido da NR sequer tinha sido feito. Ao falar com a assessora, ela só pediu que eles tivessem paciência. Voltaram todos para o Brasil, porque viver em euro é caro demais, e agora estão procurando um outro comune para começar tudo de novo (sem receber a grana de volta, claro).
  • A segunda é de outro rapaz que conseguiu tudo sozinho, exceto a resposta da NR. O comune cobrou o consulado diversas vezes, sem obter resposta. Por fim, foi necessário recorrer a um advogado e, quase um ano depois, ele obteve o reconhecimento da cidadania italiana.

É melhor fazer com ou sem assessoria?

Sinceramente? Não há uma resposta para essa pergunta!

Essa escolha é muito pessoal, mas, de qualquer forma, assume-se um risco. Ainda mais quando falamos da alta quantia de dinheiro envolvida, parece que qualquer passo em falso pode ser fatal!

Por isso, a melhor forma de tomar a decisão correta para você é estudando muito bem o processo de cidadania e avaliando qual é a sua situação: se tem tempo e disposição para ficar por meses na Itália, se consegue encontrar e organizar os documentos sozinho, se tem condições de alugar uma casa ou quarto…

E, no caso de optar por uma assessoria, pesquise muito, mas muito bem mesmo, sobre ela: verifique se tem um CNPJ, converse com quem já fez o processo com eles, exija um contrato com garantias.

Mas, caso opte por fazer sozinho, bem vindo ao time! 😉 E olha só: em breve, vou lançar uma novidade muito legal para quem quer fazer o reconhecimento da cidadania na Itália e sem assessoria. Para ser um dos primeiros a ficar sabendo, é só deixar seu email aqui!

Veja também os outros posts do blog falando de cidadania italiana 🙂

 ***

Cidadania italiana com assessoria: vantagens e desvantagens

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
  • Sobre

Giovana Penatti

Oi 🙂 Meu nome é Giovana, sou jornalista e criei o Beijo e Ciao para falar sobre viagens: dicas de passeios, lugares incríveis, experiências transformadoras e as dores e alegrias de morar fora! Originalmente, sou de Piracicaba-SP. Hoje, moro na Itália. Para saber mais sobre o blog e entrar em contato, clique aqui!

  • Comentários