Por que as italianas ganham flores amarelinhas no Dia da Mulher?

Post originalmente publicado em 6 de março de 2020.

Se você já esteve numa data próxima do Dia da Mulher na Itália, deve ter reparado como a decoração dos lugares fica amarelada! É muito comum lojas e restaurantes serem enfeitados com flores que parecem bolinhas amarelas.

Chamada mimosa, essa planta é tradicionalmente dada de presente às mulheres italianas no Dia da Mulher. Mas você imagina se onde venha esse costume, se ele só acontece aqui?

Vou começar dando um pequeno spoiler: tem a ver com o pós-guerra, a ocupação alemã e o movimento partigiano. Ou seja, tem sua origem numa época de luta e resistência!

Mimosa: a flor do Dia da Mulher na Itália

Até onde se sabe, a tradição da mimosa começou no ano de 1946 e foi criada por três membros da UDI, a Unione Donne Italiane (União das Mulheres Italianas). Essa associação foi fundada no ano anterior para unir diversos grupos femininos que já existiam e mobilizar as mulheres contra o fascismo. Também foi em 1945 que os alemães foram expulsos da Itália e a II Guerra Mundial acabou.

Leia também: O que é um partigiano e o que a música Bella Ciao tem a ver

Então, no ano seguinte, Rita Montagnana, Teresa Noce e Teresa Mattei presentearam suas colegas pela primeira vez com a mimosa no Dia da Mulher na Itália. A escolha não foi por acaso: no cenário do pós-guerra, essa era uma flor fácil de achar e que florescia nessa época do ano, que é início da primavera. Portanto, era uma flor bastante democrática: abundante, que poderia ser encontrada de graça e em praticamente qualquer lugar, de modo que toda mulher pode receber – e presentear – com um ramo.

Numa entrevista, Teresa Mattei, uma das criadoras da tradição do Dia da Mulher na Itália, revelou outro motivo por trás dessa escolha: era comum, entre os partigianos, presentar com raminhos de mimosa. Mas, talvez, esse costume não tenha sido criado por eles. Afinal, já era comum entre mulheres que trabalhavam nas fábricas durante o regime fascista na Itália.

De qualquer modo, Teresa ainda completou a entrevista dizendo que, quando via mulheres e meninas com um ramo de mimosa no dia da mulher, se lembrava da luta contra o fascismo. Assim, tinha certeza que os esforços da resistência não foram em vão.

Legal, né? 🙂

Hoje, como você pode imaginar, é possível encontrar vasos e arranjos feitos com mimosas sendo vendidos por dezenas de euros. Mas a natureza existe da forma dela, independente de qualquer outra coisa. Então, você pode muito facilmente encontrar uma árvore de mimosas na rua e levar um raminho para você mesma ou para uma amiga de graça!

COMPARTILHAR
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Giovana Penatti

Giovana Penatti

Giovana tem 31 anos e é jornalista. Mal pode esperar pela terça-feira à tarde na qual estará tomando um drink numa praia no Mar Mediterrâneo rindo muito de tudo isso. Enquanto isso, escreve sobre viagem e morar no exterior por aqui!