Como visitar o Sky Garden em Londres (2020)

Como visitar o Sky Garden em Londres (2020)

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

No nosso dia em Londres, o Sky Garden foi uma das atrações de destaque – senão a de maior destaque: ele oferece uma vista panorâmica da cidade a 35 andares de altura, com um jardim interno lindo, bar, dois restaurantes, café e a entrada é gratuita!

Dito tudo isso, como você pode imaginar, é lotado. Tanto que a recomendação é que, entre duas ou três semanas antes da sua visita, você reserve sua entrada por meio do site da atração.

E foi o que eu fiz… Ou melhor, tentei fazer: assim que comprei as passagens, entrei no site para planejar nossa ida. Mas todos os ingressos para o dia já estavam esgotados!

Então, salvei sua localização no mapa e, como o prédio fica perto de outros lugares que inevitavelmente iríamos conhecer como a Torre de Londres e a Tower Bridge, considerei dar a famigerada passadinha para ver o que acontecia: já tinha lido que, antes das 11h30, você pode tentar a sorte e ver se o segurança libera sua entrada… Mas às 11h30 a gente ainda estava em Camden, e eu não queria fazer nada com hora marcada lá, só curtir a cidade mesmo!

Leia também: O que fazer em Londres em um dia?

Como visitar o Sky Garden sem reserva

Então, sem nenhuma pretensão real de conhecer o Sky Garden nesta visita, passamos pelo número 20 da Fenchurch Street e… Quase fomos expulsos por um segurança que veio, com pouca paciência, perguntar o que queríamos lá.

Apesar de ser esse o endereço do Sky Garden, essa entrada é para o edifício, um prédio de escritórios que fica na região financeira de Londres e é conhecido popularmente como Walkie-Talkie por conta de seu formato que, digamos, divide opiniões – isso para ser bem branda, visto que ele foi nomeado prédio mais feio do ano no Reino Unido quando foi construído, em 2015.

Mas, voltando à sua parte mais bonita, a entrada para o Sky Garden fica na parte de trás, com uma recepção especial; é impossível passar direto.

Chegando lá, fomos recebidos por um funcionário que pediu nossas reservas e, quando falei que não tínhamos, nos disse para aguardar ao lado que veria o que poderia fazer por nós  – juro, ele usou essas palavras – e saiu falando no walkie-talkie (sem ironia).

Pouco depois, pediu que entrássemos na fila onde estavam todos que tinham suas reservas. Para abrir a catraca, basta aproximar o código de barras (ou QR Code, não vi direito, rs) de um leitor e, depois, passar pelo raio-X. Mas, sem a reserva, nós chegamos a essa parte ainda meio perdidos, sem saber se poderíamos subir ou não!

Quando chegou nossa vez, falei para a funcionária que estava controlando a fila que não tínhamos conseguido fazer a reserva e estávamos ali meio sem saber o motivo. Ela nos olhou com muito pesar e explicou que a atração é muito concorrida, pois oferece uma vista panorâmica gratuita da cidade, é preciso entrar no site com ao menos duas semanas de antecedência…

“…but it’s your lucky day!” – e abriu a porta!

Como é a vista do Sky Garden em Londres

Após passar pelo raio-X, a subida dos 35 andares é bem rápida. Lá em cima, logo de cara, dá para entender o motivo da altíssima procura: a vista é superprivilegiada, oferecendo uma visão de 360o de Londres circundando um jardim indoor.

Outro detalhe muito legal da arquitetura é que esse rooftop tem a altura de três andares. Para dar a volta, há uma escada que vai elevando a vista aos poucos, de modo que todo mundo tenha uma boa visão geral, mesmo que esteja lotado.

De frente, logo que você sai do elevador, a vista é a que dá de frente para o rio Tâmisa. Dali, se destaca o prédio The Shard, aquele em formato de agulha.

À direita, dá para ver, entre outros pontos de interesse, a Millenium Bridge, a Catedral de St. Paul e uma pontinha da London Eye (a foto mostra mais o visual por dentro, mas acredite, dá pra ver tudo isso!)

Ao fundo, a gente fica pertinho de outros prédios do centro financeiro de Londres, como o Gherkin (que, para mim, parece mais um ovo fabergé que um pepino) e o Leadenhall.

E, na outra lateral, temos a vista que, na minha opinião, é a mais legal, com a Torre de Londres e a Tower Bridge pequenininhas lá embaixo!

O Sky Garden conta ainda com várias mesinhas e cadeiras, em todos os níveis, para dar uma descansada nas pernas depois de andar pela cidade toda. Também há um café, um bar e dois restaurantes, um deles no nível mais alto – que, cá entre nós, não tem a melhor visão, pois fica longe das janelas e, por estar tão perto do teto, me deu uma baita tontura!

Sky Garden: dias e horários

Depois de dar uma boa olhada em tudo, foi só irmos até o elevador e de volta para o térreo, sem fila nenhuma. O tempo indicado para visita é de uma hora, mas acredito que tenhamos ficado cerca de 30 minutos lá em cima.

Dica esperta: agende sua visita próxima do por do sol, que deve ficar lindo lá de cima com o céu limpo e, de quebra, permite ver as luzes da cidade à noite!

Uma coisa que achei curiosa é que, ao contrário das atrações do tipo em outras cidades, como Nova York e São Paulo mesmo, que sempre têm alguém para coordenar a entrada e saída das pessoas no elevador, no Sky Garden essa área não era coordenada: os próprios visitantes se ajeitam! Talvez, num dia ou época mais lotados, isso seja diferente.

Por ser uma visita gratuita e com uma ótima localização, recomendo colocar o Sky Garden na sua lista de coisas para ver em Londres mesmo sem ter conseguido fazer a reserva; cruze os dedos, seja bem simpático e, quem sabe, pode ser seu dia de sorte também! 😉

Sky Garden

Segundas a sextas-feiras: das 10h às 18h
Finais de semana e feriados: das 11h às 21h
Faça sua reserva no site oficial

Veja os outros posts do blog sobre Londres:

Video

***

Como visitar o Sky Garden em Londres (2020)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
  • Sobre
foto perfil beijo e ciao giovana penatti (2)

Giovana Penatti

Oi 🙂 Meu nome é Giovana, sou jornalista e criei o Beijo e Ciao para falar sobre viagens: dicas de passeios, lugares incríveis, experiências transformadoras e as dores e alegrias de morar fora! Originalmente, sou de Piracicaba-SP. Hoje, moro na Itália. Para saber mais sobre o blog e entrar em contato, clique aqui!

  • Comentários