Coronavirus na Italia: como esta por aqui (ate agora)

Coronavírus na Itália: como está por aqui (até agora)

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Sábado, 22 de fevereiro, horário do almoço na cidade de Pádua, a 35km de Veneza. Pela porta da frente, o diretor do restaurante passa apressado, com o olhar preocupado e surpreso: “a fila do mercado está enorme. As pessoas estão fazendo compras como se fosse o apocalipse chegando.”

A visita, no entanto, era outra: na noite do dia anterior, havia sido anunciada a primeira morte no país por decorrência do coronavírus. A vítima foi um senhor de 78 anos que sequer teve tempo de ser transferido ao hospital da capital; ele faleceu na cidade de Schiavonia, a 32km de distância de Padova.

Piazza delle Erbe, no Centro de Padova

O restaurante, no Centro da cidade, costuma receber ao menos uma centena de clientes para o almoço no fim de semana. Mas, nesse sábado, eram tantas as mesas vazias que alguns funcionários foram orientados a terminar o turno mais cedo.

Pela vitrine do restaurante já se percebia, mas o caminho até casa confirmou que a cidade estava com uma movimentação estranha; ou melhor, uma movimentação escassa. Muita gente parecia ter decidido passar o fim de semana recluso diante do anúncio da vítima do coronavirus tão próxima. Isso era especialmente visível nos bares, que, para um sábado à noite, sofriam com a falta de público.

Em um estabelecimento localizado numa área universitária, uma das sócias lamentava que o medo fizesse com que as pessoas deixassem de sair de casa. Na semana seguinte, estavam agendados alguns eventos que costumam atrair mais de 80 pessoas – um grande número para um restaurante pequeno, com cerca de seis mesas. No domingo à noite, após uma tarde em que a cidade, normalmente cheia de famílias e grupos de amigos passeando pelo Centro, esteve ainda mais vazia, todos foram adiados.

Também foi no domingo à noite que o governo da região do Veneto anunciou medidas de emergência que trouxeram impactos mais facilmente perceptíveis no dia a dia, já visíveis na manhã de segunda-feira, com o aumento considerável do número de pessoas usando máscaras, lojas e restaurantes fechados e, principalmente, as ruas ainda mais vazias.

Até o momento, as atividades comerciais não estão suspensas – ou seja, mesmo com poucos clientes, as lojas e restaurantes podem permanecer abertos. Por outro lado, tudo que envolve aglomeração de pessoas está suspenso no Veneto, como missas, feiras, eventos esportivos, cinemas, teatros, escolas, universidades e baladas. Até as comemorações de Carnaval foram impactadas: o Mercoledí Grasso, encerramento da festa em Veneza, foi cancelado, bem como o próprio Carnaval de Padova, que ocorreria no dia 23 de fevereiro.

No entanto, o Veneto não é a única região afetada pelo vírus na Itália, que é o terceiro país com mais infectados. Na Lombardia, está o recorde de pacientes, que já são mais de 172. Foram registradas, até agora, cinco mortes na região. Há também casos na Emilia-Romagna, no Piemonte e em Trentino-Alto Ádige.

Ainda na Lombardia, há 10 comunes isolados, com bloqueios nas estradas e a recomendação de que seus moradores não saiam de casa: Codogno, Terranova, Castiglione, Casalpusterlengo, Somaglia, San Fiorano, Bertonico, Maleo, Castelgerundo e Fombio.

Coronavirus: como se prevenir

Todos devem seguir as recomendações do governo, mesmo sem apresentar sintomas e sem ser parte do grupo de risco, para que a contingência do vírus tenha sucesso. Isso porque devemos ter responsabilidade social: quem é jovem e saudável pode levar o vírus ao grupos de risco. Obedecer às restrições de circulação contribui para que o controle do vírus seja feito da forma mais rápida e eficiente possível.

Como em toda situação do gênero, também há fake news sendo espalhadas, aumentando o alarmismo e o pânico. Um áudio no WhatsApp diz que a situação é muito mais grave do que o governo diz, que já foi perdido o controle do vírus e recomenda que as pessoas estoquem comida em casa, porque as próximas semanas serão de isolamento total. Nem precisa dizer que pânico não ajuda nada, e difundir mensagens do tipo só piora a situação.

Mas, conspirações à parte, esvaziar prateleiras dos mercados é, além de ineficiente, irresponsável, porque faz com que as outras pessoas, que também precisarão de comida, produtos de higiene e de limpeza, não consigam comprá-los.

Prateleiras vazias em um supermercado na Lombardia

Coronavirus: o que fazer

As recomendações do governo são:

  1. Lavar as mãos com frequência
  2. Evitar o contato próximo com pessoas que sofram de infecções respiratórias agudas
  3. Não tocar olhos, nariz e boca com as mãos
  4. Cobrir boca e nariz ao tossir
  5. Não tomar antibióticos e outros remédios sem prescrição (vale lembrar que antibióticos são ineficientes contra vírus)
  6. Limpar as superfícies com desinfetantes à base de cloro ou álcool
  7. Usar máscaras somente se houver a suspeita de estar doente, ou caso cuide de alguém doente

O governo ainda lembra que produtos e pacotes vindos da China não são perigosos. Animais domésticos também não difundem o vírus.

Recomenda-se, a quem esteve em viagem pela China há menos de 14 dias, de procurar assistência pelo telefone 1500, um número criado especialmente para a epidemia. Para residentes da Lombardia, há um número exclusivo: 800 89 45 45.

Também é importante que quem apresentar sintomas como tosse ou febre não se dirija ao pronto-socorro, pois pode acabar contaminando mais pessoas; em vez disso, convém ligar no mesmo número para pedir orientações e/ou procurar seu médico da família.

Este post foi escrito e publicado no dia 24 de fevereiro de 2020. As informações contidas nele são as que foram divulgadas até esse dia, exceto eventuais atualizações que estejam sinalizadas ao longo do texto.

LEIA OS OUTROS POSTS DO BLOG SOBRE CORONAVÍRUS:

Coronavírus na Itália: como está por aqui (até agora)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
  • Sobre
WhatsApp Image 2020-09-10 at 00.57.43

Giovana Penatti

Oi 🙂 Meu nome é Giovana, sou jornalista e criei o Beijo e Ciao para falar sobre viagens: dicas de passeios, lugares incríveis, experiências transformadoras e as dores e alegrias de morar fora! Originalmente, sou de Piracicaba-SP. Hoje, moro na Itália. Para saber mais sobre o blog e entrar em contato, clique aqui!

  • Comentários