Quanto custa a cidadania italiana?

Quanto custa a cidadania italiana?

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Agora que meu processo de cidadania já está concluído e praticamente tudo que eu poderia falar sobre ele já está aqui no blog, é hora de abordar uma das principais – e primeiras – questões: quanto custa reconhecer a cidadania italiana na Itália?

Os gastos, claro, têm uma infinidade de variáveis e não tem como falar exatamente o quanto o seu vai custar. Mas dá para ter uma boa estimativa sabendo quais são os principais.

Para este post, considerei valores altos, para ter uma boa margem de erro. Recomendo que você sempre faça isso ao planejar sua viagem. Afinal, é melhor sobrar dinheiro do que faltar!

Principais gastos

Para estimar quanto custará sua cidadania, leve em consideração:

  • Documentos
  • Passagens aéreas
  • Aluguel
  • Alimentação
  • Transporte
  • Processo

Documentos

certidoes cidadania italiana 2

O primeiro Grande Gasto do reconhecimento da cidadania é com os documentos. Talvez seja necessário contratar alguém para encontrar a certidão de nascimento na Itália, o que é um gasto bastante variável em euros.

Depois, vêm os custos da emissão em inteiro teor de todas as certidões de nascimento, casamento e óbito, retificações e apostilamentos. Os preços também são variáveis, já que dependem dos cartórios e profissionais contratados.

O  meu custo total com documentos foi de R$ 3.150. Não precisei contratar alguém para encontrar a certidão de nascimento do meu bisavô na Itália, mas precisei para tê-la apostilada para fazer as retificações. Eu precisei apenas para apostilar a certidão do meu antenato e paguei 80 euros. Já vi casos de gente que desembolsou algumas centenas!

Neste post dou dicas para organizar seus documentos para a cidadania direitinho!

Passagens aéreas

As passagens aéreas mais baratas serão, via de regra, com escala. Mas, para fazer o reconhecimento da cidadania, o mais recomendado é comprar passagens diretas. Isso porque, caso você não entre na União Europeia diretamente pela Itália, será necessário, em até 48 horas após chegar ao país, fazer a declaração de presença; caso pegue um voo direto, isso não é necessário.

Também é obrigatório ter a passagem de volta, agendada para até 90 dias – são as regras para a entrada na Itália.

Veja a lista completa de exigências para entrada na Itália + o que dizer na imigração quando for reconhecer a cidadania neste post!

Paper plane

Considerando um voo direto de ida e volta em 90 dias, incluindo a possível necessidade de cancelar ou remarcar a passagem de volta caso seu processo demore mais de três meses (spoiler: provavelmente vai), reserve uns R$ 4 mil para as passagens aéreas.

Eu paguei R$ 2.700, com taxas, direto de São Paulo para Milão com quase 90 dias de distância entre a ida e a volta, veja neste post como encontrei essa passagem.

O que sobrar, você compra em euro 😉

Comprar em espécie ou cartão pré-pago? Tem uma outra maneira mais fácil, barata e segura de levar sua grana para a Itália. Veja neste post!

Aluguel

Esse é, provavelmente, o ponto que tem mais variáveis. Por isso, considere aqui uma “gordura” bem grande, tanto para valores mensais como para tempo. Afinal, não tem como saber exatamente quando seu processo terminará e cada mês a mais significa também algumas centenas de euros a mais.

Alugar uma casa ou apartamento inteiros, claro, custa mais do que alugar um quarto.

Para alugar um imóvel, é necessário considerar, além do valor mensal, o caução de uns três meses – uma grana que você só verá novamente ao final do contrato. Acredito que tudo possa ser negociado, mas tive dificuldade em achar alguém disposto a alugar um imóvel para mim por apenas alguns meses, por isso optei pelo quarto.

No caso de aluguel de quartos especificamente para o reconhecimento de cidadania, dá para encontrar algumas facilidades, como pessoas que oferecem “pacote” de alguns meses pagos adiantados em vez de um caução. Foi o meu caso! Então, em vez de deixar o valor de três alugueis inutilizado em um caução, usei esse dinheiro para pagar os meses adiantados.

Quer mais dicas para encontrar o comune ideal e achar uma residência na Itália? Veja este post!

Para o aluguel, minha estimativa era de 600 euros por mês. Então, me planejei para ir à Itália com 1800 euros para o caução e mais 2400 euros para quatro meses de aluguel.

Como aluguei um quarto, acabei gastando muito menos do que isso: foi cerca de 2000 euros para cinco meses.

Alimentação

compras mercado italia
É possível comer macarrão todos os dias? É sim

Mais uma grande variável, afinal, não tem com saber o que cada um come, né?

Os mercados na Itália têm um preço bem acessível até para nós, que vemos o dinheiro sumir ao converter para euros. A dica para economizar é a mesma que em qualquer lugar do mundo: comer mais em casa do que fora, especialmente no começo do processo, que você não tem como saber até quando ficará na Itália – e, portanto, até quando seu dinheiro precisará durar.

Neste post, falo sobre como são os mercados na Itália e listo algumas compras para mostrar que dá, sim, para comer muito bem gastando pouco!

Os meus gastos com mercado flutuavam entre 15 e 20 euros por semana. Portanto, ao mês, dá para estimar uns 100 euros em mercado.

Transporte

Como a maioria das pessoas vai fazer o reconhecimento da cidadania em cidades pequenas, o gasto com transporte público – ônibus e metrô – é zero. Não é necessário depender desses meios para se locomover na cidade, já que dá para fazer tudo a pé ou de bicicleta (uma usada sai por uns 40 euros, até menos). E, sinceramente, essas cidadezinhas nem costumam ter transporte público dentro delas, só para ir para outras!

Portanto, o gasto, aqui, é com ônibus e trens para viajar. Aproveite que está na Itália, um país com uma boa malha ferroviária e um tamanho bem menor do que o Brasil, e viaje o máximo que puder, nem que seja fazendo bate-e-volta nas cidades mais próximas.

Viajar de trem na Itália é uma delícia! Esse post explica o passo a passo para você não passar nervoso ao tentar entender como funciona.

Eu costumava me permitir esse tipo de viagem duas ou três vezes por mês. O bilhete custava, para meus destinos, no máximo 6,50 euros. Então, em três viagens mensais, eu gastaria uns 40 euros.

Processo

O reconhecimento de cidadania em si exige alguns gastos, mas não é nada astronômico comparado com o resto.

Em um momento eu parei de anotar meus gastos, então não sei exatamente o quanto gastei, por exemplo, com xerox. Mas fiz um monte de xerox e impressões, com cada folha custando uns 50 centavos.

Também somam-se gastos com marca da bollo de 16 euros. Lembro de ter precisado de três ao longo do processo, ou seja, uns 48 euros.

Os gastos com documentos como permesso di soggiorno, carta d’identità e passaporte já foram citados aqui no blog: 118,14 euros + 22 euros + 116 euros = 256,14 euros.

Custo total da cidadania italiana

Somando todos os valores acima, o total é de cerca de R$ 17 mil.

Mas, reforço, são estimativas. Não foi esse o custo total do meu reconhecimento de cidadania, mas serve para você ter uma ideia do quanto gastaria para fazer o processo na Itália.

Há inúmeras variáveis que podem alterar as cifras e é possível gastar menos ou mais: já vi casos de gente que gastou 30 mil e de gente que gastou 8 mil (mas, sinceramente, esse de 8 mil é BEM atípico! Para a maioria das pessoas, fica em torno de R$ 15 a 20 mil mesmo).

Minha dica é não ir com a grana contada. Afinal, é melhor ser surpreendido por gastar menos do que entrar em desespero por descobrir lá que faltou dinheiro, né? Por isso, às vezes vale a pena adiar um pouco a viagem para ir com algumas centenas de euros a mais por segurança.

Ah, mais um lembrete: essas contas todas levam em consideração apenas uma pessoa. Os valores para casais e famílias, claro, são diferentes.

Veja também os outros posts do blog falando de cidadania italiana 🙂

***

Quanto custa a cidadania italiana?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
  • Sobre

Giovana Penatti

Oi 🙂 Meu nome é Giovana, sou jornalista e criei o Beijo e Ciao para falar sobre viagens: dicas de passeios, lugares incríveis, experiências transformadoras e as dores e alegrias de morar fora! Originalmente, sou de Piracicaba-SP. Hoje, moro na Itália. Para saber mais sobre o blog e entrar em contato, clique aqui!

  • Comentários